Reinstalar o Windows sobre o sistema actual

Traduções de Artigos Traduções de Artigos
Artigo: 835829 - Ver produtos para os quais este artigo se aplica.
Reduzir esta imagemExpandir esta imagem
win98logo
Expandir tudo | Reduzir tudo
Tem um problema? Esta é a primeira solução. Não é tão abrangente como uma reinstalação total, mas é muito mais rápida e pode resolver o problema de forma linear.

Preparação

Reduzir esta imagemExpandir esta imagem
71reinstal1

Antes de começar a pensar na reinstalação do Windows, terá de efectuar uma cópia de segurança dos dados importantes para estar prevenido no caso de algo correr terrivelmente mal.

Quando efectuou uma cópia de segurança dos dados pela última vez? Se o sistema ficasse danificado neste preciso momento, que quantidade de trabalho que perderia? Ninguém efectua cópias segurança com a frequência necessária. A tarefa de efectuar uma cópia de segurança dos dados não é propriamente entusiasmante. Na realidade, o próprio conceito de cópia de segurança dos dados é algo perverso. Se tem de depender dessa cópia de segurança, então isso significa geralmente que algo de errado aconteceu no sistema.

A boa notícia é que esta cópia de segurança é diferente e, se for efectuada correctamente, poderá ser utilizada posteriormente como referência. A verdade é que irá utilizar esta cópia de segurança novamente daqui a pouco tempo... pelo menos, logo a seguir a ter reinstalado o Windows.

Preparar-se para perder tudo

A grande questão consiste em saber quais os dados cuja cópia de segurança deve ser efectuada e quais aqueles que podem ser ignorados. A principal regra a aplicar é efectuar uma cópia de segurança apenas dos ficheiros de dados de que necessita. É o caso dos ficheiros de dados, mas não dos utilitários, das aplicações nem dos programas. Estes devem ser reinstalados a partir dos discos originais após a reinstalação do Windows. Desta forma, também não terá problemas com as entradas do registo. Assim, os programas ficam de fora.

Que ficheiros de dados? Idealmente, todos os que são úteis ou necessários. Se se limitasse a efectuar cópias de segurança de todos os ficheiros que já criou, encontraria alguns dados absolutamente inúteis. Antes de efectuar a cópia de segurança, examine cuidadosamente o disco rígido para localizar todos os ficheiros que criou. Geralmente, a pasta Os Meus Documentos é um bom ponto de partida, mas alguns programas colocam ficheiros em todo o lado.

Deve igualmente aproveitar esta oportunidade para organizar as mensagens de correio electrónico, os marcadores da Web e livros de endereços. Pode ficar com as mensagens de correio electrónico se as organizar primeiro, mas apenas se reduzir um pouco a quantidade.

Se for este o procedimento a adoptar, certifique-se de que o programa de correio electrónico pode importar as mensagens de correio electrónico depois de as ter exportado (experimente para ter a certeza). Posteriormente, iremos explicar como deve estruturar o disco rígido de forma a simplificar este procedimento da próxima vez que o utilizar.

Como efectuar uma cópia de segurança do sistema

Se apenas tiver acesso a disquetes, ficará limitado aos ficheiros mais importantes. Se tiver algo com uma capacidade superior, tal como um CD-R ou uma unidade Zip, deverá ser capaz de efectuar cópias de segurança de tudo o que já criou com facilidade.

Quando identificar os dados cuja cópia de segurança pretende efectuar, pode começar a trabalhar. Primeiro, execute o utilitário Cópia de Segurança do Windows. Pode localizá-lo em Programas, Acessórios e Ferramentas do Sistema a partir do menu Iniciar. Se não o encontrar, terá de instalá-lo a partir do CD do Windows.

Quando iniciar o utilitário Cópia de Segurança do Windows, surgirá este ecrã. Agora, terá de decidirá quais os ficheiros cuja cópia de segurança pretende efectuar.

Seleccione os ficheiros clicando nas caixas junto aos ficheiros e às pastas. Lembre-se de que não é necessário efectuar cópias de segurança de tudo. Seja selectivo.

Quando clicar no botão Seguinte, avançará para a selecção do local onde pretende colocar esses ficheiros. Se tiver um dispositivo de cópia de segurança, seleccione-o agora.

Obviamente que quando clicar em Iniciar Cópia de Segurança, iniciará o processo de cópia de segurança. Isto pode ser bastante demorado, pelo que é melhor fazê-lo quando tiver bastante tempo disponível.

Reinstalação

Muitos dos problemas que poderão conduzir à reinstalação do Windows são causados por programadores de software que corrompem ficheiros de chave. Se os ficheiros de que o Windows necessita não estiverem aí, poderá não haver outra solução senão reinstalar sobre o sistema actual.

Trata-se de um processo ligeiramente diferente da reinstalação de raiz num disco rígido limpo, porque mantém todos os dados e as definições já existentes. Está também a evitar o inevitável se não formata há algum tempo, já que este método não irá limpar quaisquer ficheiros redundantes nem resolver eventuais conflitos nos controladores. A boa notícia é que, normalmente, é mais fácil de efectuar e que o sistema voltará a estar activo e em execução num abrir e fechar de olhos.

Avaliação dos danos

A primeira fase da reinstalação do Windows consiste em determinar a extensão dos danos do computador. Se nem conseguir aceder ao Windows sem que este falhe, então terá de reinstalar a partir da linha de comandos do DOS. Se conseguir aceder normalmente ao Windows, deverá ser capaz de efectuar a reinstalação desta forma, desde que detecte a unidade de CD ou já tenha copiado os ficheiros de instalação para o disco rígido. Se não for esse o caso, terá de reinstalar a partir do DOS.

De qualquer forma, deve compreender o princípio base do procedimento que está prestes a efectuar. No momento, o computador não está a funcionar de forma adequada porque um ou mais ficheiros essenciais foram substituídos por versões incompatíveis ou foram eliminados.

Quando reinstalar o Windows sobre a instalação actual, todos os ficheiros em falta serão substituídos e deverão ser-lhe pedidos todos os ficheiros que já existem com datas diferentes (ver abaixo).

Reinstalar a partir do Windows

Se conseguir aceder ao Windows, deverá começar por inserir o CD do Windows na unidade de CD-ROM. Feche o ecrã de contexto automático que aparece quando o disco é executado automaticamente e, em seguida, abra o Explorador do Windows. No Explorador, aponte para a unidade de CD-ROM e, na raiz da unidade, encontrará um ficheiro denominado CONFIG.EXE. Quando fizer duplo clique neste ficheiro, dará início à instalação do Windows. Continue para 'O procedimento de reinstalação' abaixo.

Reinstalar a partir do DOS

Se não conseguir aceder ao Windows, terá de utilizar a disquete de arranque para detectar a unidade de CD-ROM. Deve ter uma disquete de arranque em sua posse. Se não for esse o caso, consulte outra secção deste artigo para obter informações sobre como criar uma disquete de arranque. Quando tiver esta disquete, deverá iniciar o computador com a mesma na unidade de disquetes e reiniciar o PC. Quando o disco tiver iniciado, insira o CD do Windows na unidade de CD-ROM, mude para a unidade relevante (escrevendo a letra da unidade seguida de dois pontos como, por exemplo, D: ou E:, e premindo a tecla [Enter]) e, em seguida, escreva CONFIG.EXE e prima a tecla [Enter]. O Windows começa a reinstalação.

O procedimento de reinstalação

Durante a instalação, se o Windows encontrar um ficheiro de sistema mais recente do que o ficheiro de substituição, permite optar por manter o ficheiro mais recente. Certifique-se de que responde Sim a esta questão.

Se mesmo assim o Windows continuar a não funcionar, terá de repetir o procedimento para a reinstalação. Desta vez, responda Não à pergunta anterior. Assim, deverá conseguir instalar uma versão totalmente funcional do Windows. Poderá encontrar problemas com aplicações individuais, mas se for esse o caso, bastará reinstalar a aplicação em causa.

Como criar uma disquete de arranque

Se, numa determinada fase, o Windows não iniciar, necessitará de uma disquete de arranque. E terá de criar uma. Efectue o seguinte:

O que acontece quando tenta reinstalar o Windows sobre uma instalação existente e o problema persiste? Terá de reformatar o disco rígido e reinstalar o Windows de raiz! Reflicta um pouco sobre o que isto significa: um disco rígido formatado está em branco. Isso significa que não terá Windows nem DOS, ou seja, nada que indique ao computador que tem uma unidade de CD-ROM ligada ou como utilizá-la. Se reinstalar o Windows a partir de um CD-ROM, estará perante um problema real. É por este motivo que necessidade de uma disquete de arranque.

Uma disquete de arranque permite o acesso à unidade de CD-ROM apesar de o disco rígido estar em branco. Deve conter os controladores de DOS para o CD-ROM para que possa utilizar o CD na instalação do Windows. Para utilizar a disquete de arranque, basta inseri-la na unidade de disquetes e ligar o computador. Desde que o BIOS esteja definido para arrancar a partir da unidade de disquetes antes do disco rígido (a maioria está), o computador iniciará no DOS e a unidade de CD-ROM ficará acessível.

Uma vez reformatado o disco rígido, pode considerar a disquete de arranque como a derradeira ligação a um PC em funcionamento. Não estamos a exagerar, por isso não a perca (aliás, recomendamos que efectue uma cópia de segurança da disquete de arranque depois de a criar!).

Como criar uma disquete de arranque

A disquete de arranque é criada no Windows, mas antes de explicarmos este procedimento devemos esclarecer uma formalidade: primeiro, a Microsoft prefere chamar às disquetes de arranque 'Disquetes de arranque do Windows'. Ambas as denominações são permutáveis, por isso não se deixe confundir.

Criar uma disquete de arranque do Windows 98

Para criar uma disquete de arranque do Windows 98, basta inserir uma disquete em branco na unidade e efectuar o procedimento de criação de disquetes de arranque. Para o fazer, abra o Painel de Controlo e, em seguida, abra Adicionar/Remover Programas. Mude para o separador Disquete de Arranque e clique em Criar Disquete... Os controladores de CD-ROM correctos são colocados automaticamente na disquete, pelo que não é necessário procurar nem adicionar ficheiros adicionais.

Como criar uma disquete de arranque se não conseguir aceder ao Windows

É fácil criar uma disquete de arranque no Windows. Mesmo se não conseguir aceder ao Windows, poderá criar a disquete através de um procedimento um pouco mais complexo. O procedimento é o seguinte:

Inicie o DOS (prima [F8] no arranque para activar o menu de arranque). Coloque uma disquete na unidade e escreva format a: /s. Criará assim uma disquete de arranque. A fase seguinte é crucial. Deverá localizar o ficheiro de configuração do sistema para a unidade de CD-ROM e copiá-lo para a disquete.

Este ficheiro deverá ser fornecido com o sistema ou, se actualizou a unidade de CD-ROM, com a própria unidade. Será necessário localizar e copiar o ficheiro com uma extensão .SYS a partir desta disquete para o disco rígido e, em seguida, copiá-lo para a disquete de arranque.

Em seguida, terá de copiar a extensão do CD da Microsoft para a disquete. Escreva COPY C:\WINDOWS\ COMMAND\MSCDEX.EXE A: e prima a tecla [Enter]. Se este ficheiro não estiver no caminho indicado, então está danificado. Terá de localizá-lo. Para o fazer no DOS, deve escrever DIR /S MSCDEX.EXE para procurar na unidade. Uma vez localizado, copie-o para a disquete de arranque.

Em seguida, faça com que a disquete reconheça a unidade de CD quando a utiliza no arranque. Para tal, crie CONFIG.SYS e AUTOEXEC.BAT. No DOS, escreva A: para aceder à unidade de disquetes. Em seguida, escreva EDIT CONFIG.SYS. Introduza device=< 'nomedocontrolador'>.sys /D:mscd001, em que 'nomedocontrolador' é o nome do ficheiro .SYS do passo dois.

Guarde o ficheiro CONFIG.SYS. Em seguida, será necessário criar o ficheiro AUTOEXEC.BAT. Crie esse ficheiro escrevendo EDIT AUTOEXEC.BAT. Quando o ficheiro aparecer, deverá escrever MSCDEX.EXE /d:mscd001. Guarde as alterações na disquete.

A última fase é a mais simples. Basta reiniciar o computador com a disquete inserida na unidade e verificará que está de volta ao DOS e já detecta a unidade de CD.

Como criar partições e formatar o disco rígido

Reduzir esta imagemExpandir esta imagem
71reinstal2

Antes de poder reinstalar o Windows, recomendamos que configure e formate a unidade. Mostramos-lhe a melhor opção para o computador.

Actualmente, os discos rígidos são enormes. Mesmo os computadores a preços baixos são agora fornecidos com discos rígidos de 4Gb, sendo possível manter este tamanho ou optar por um maior. O problema é que esta quantidade de dados necessita de ser organizada; caso contrário, depressa saberá o que é o caos. A melhor forma organizar os dados, é efectuar a partição do disco rígido em secções mais pequenas, actuando cada uma como um disco rígido virtual de pleno direito.

Uma forma de dividir o disco rígido é simplesmente efectuar a respectiva partição em dois: a primeira partição é a unidade de sistema dedicada ao Windows e aos ficheiros de programa, e a segunda partição está reservada a todos os ficheiros de dados. O tamanho atribuído a esta configuração depende do tamanho do disco rígido e do tipo de ficheiros de dados processados. Se editar grandes ficheiros de gráficos ou de som regularmente, optará provavelmente por uma divisão de 50/50. Caso contrário, deverá escolher uma divisão de 60/40, atribuindo a partição maior ao sistema. Desta forma, se tiver um disco rígido de 4Gb e não utiliza grandes ficheiros frequentemente, deverá atribuir cerca de 2,4Gb à partição do sistema e 1,6Gb à partição de dados.

Como alternativa, poderá efectuar a partição do disco rígido em três partes, adicionando uma partição de cópia de segurança às partições do sistema e de dados. Isto é particularmente útil se trabalhar no computador ou se tiver muitos dados que tenha demorado bastante tempo a criar.

Devido aos limites de espaço, normalmente esta configuração só deve ser aplicada a discos rígidos maiores (6Gb ou mais). Se for este o caso, deverá procurar efectuar uma divisão de 50-30-20, com o espaço da cópia de segurança a ocupar 20%, os dados 30% e os restantes 50% a pertencerem à área do sistema principal. Numa unidade de 6Gb, isto seria equivalente a um sistema de 3Gb, dados de 2Gb e a uma cópia de segurança de 1Gb.

Considerações finais

O método de partição da unidade é descrito abaixo. Antes de começar a colocar estes passos em prática, lembre-se de que todo o conteúdo do disco rígido perder-se-á assim que alterar o tamanho de uma partição. Por isso, certifique-se de que testou com êxito a disquete de arranque antes de começar.

O FDISK cria dois tipos de partição: a partição Primária que contém apenas o sistema ou a unidade de arranque e a partição Expandida que contém todas as outras unidades criadas como unidades 'lógicas' na partição Expandida.

Para formatar as unidades recentemente divididas em partições deverá reiniciar o computador a partir da disquete criada anteriormente e, em seguida, efectuar uma formatação incondicional total de cada partição. O sintaxe para este comando é FORMAT *quaisquer parâmetros* *letra da unidade*:. O único parâmetro que nos interessa é o incondicional, ou seja, /U. Assim, para formatar a unidade principal deverá escrever FORMAT /U C:. Se tivesse criado três partições, então teria também de aplicar este comando a D: e E:.

Como criar partições no DOS

O FDISK é um utilitário poderoso e relativamente simples de utilizar. Lembre-se de que perderá todos os dados assim que criar um novo conjunto de partições.

Efectue o arranque a partir da disquete e certifique-se de que detecta a unidade de CD-ROM, já que está prestes a abandonar a configuração antiga. Em seguida, escreva FDISK para iniciar o programa de criação de partições da Microsoft.

Depois de responder afirmativamente à pergunta de FAT32, deverá seleccionar a quarta opção para identificar a configuração actual do disco rígido. São apresentadas duas partições, pelo que a primeira tarefa é eliminá-las.

Seleccione a opção 3 para eliminar as partições e tudo o resto. Em seguida, pode voltar a criar as partições. Seleccione a opção 1 e, em seguida, 1 novamente para criar a partição primária com o tamanho especificado.

O passo seguinte é criar a partição expandida. Seleccione a opção 1 seguida da opção 2 para iniciar a criação desta segunda área. Quando lhe for pedido, deverá fazer com que a partição expandida utilize todo o espaço restante.

Na realidade, o último passo não cria quaisquer partições lógicas. Terá de criá-las na partição expandida. O FDISK pedir-lhe-á automaticamente a primeira. Basta defini-la com o tamanho pretendido.

Por fim, deverá verificar se todas as partições estão configuradas conforme pretende, seleccionando a opção 4 novamente no menu principal. Uma vez satisfeito com a configuração, terá de reiniciar e, em seguida, formatar as unidades.

Reinstalar

Reduzir esta imagemExpandir esta imagem
71reinstal1

Já se preparou, efectuou as cópias de segurança dos ficheiros e criou a disquete de arranque. Chegou o momento de reinstalar, de facto, o Windows de raiz.

O disco rígido foi recentemente formatado e a disquete de arranque está pronta. Chegou a altura de reinstalar o Windows.

Todas as versões do Windows têm ecrãs de configuração ligeiramente diferentes, pelo que as seguintes instruções são apenas um guia. Alguns dos ecrãs poderão não aparecer na versão que dispõe do Windows e outros poderão aparecer numa ordem diferente.

Necessita de
- 45 minutos de tempo livre
- Da Chave de Produto do Windows
- De outra disquete em branco

Não se esqueça!

Se pensa que respondeu de forma errada durante a configuração, pode sempre premir a tecla Anterior e alterar a resposta. Desde que não tenha iniciado a cópia dos ficheiros, pode sempre clicar em Cancelar para sair.

Em primeiro lugar, insira a disquete de arranque, ligue o computador e certifique-se de que este está configurado para iniciar a partir da disquete; se não estiver, aceda ao BIOS, seleccione a disquete como a primeira unidade de arranque, guarde as alterações e saia. Deverá aparecer um menu. Escolha a opção para iniciar com suporte de CD-ROM.

Coloque o CD do Windows 98 na unidade de CD e escreva a respectiva letra de unidade seguida de dois pontos (por exemplo, D:) e prima a tecla [Enter]. Em seguida, escreva SETUP [Enter] para iniciar o procedimento de instalação do Windows.

A primeira coisa a acontecer durante a instalação é que a Configuração executa uma verificação de rotina do sistema. Prima a tecla [Enter] e o ScanDisk verifica a unidade, sendo o registo de sistema verificado em seguida. Deve permitir que todos os erros encontrados na unidade sejam corrigidos antes de continuar. Agora está pronto a iniciar a Configuração do Windows de forma adequada. Este processo deve demorar entre 30 a 60 minutos.

A primeira escolha que tem de fazer é decidir o directório no qual pretende instalar o Windows. Embora o programa de configuração lhe permita efectuar a instalação numa pasta que não tenha o nome Windows, recomendamos que não altere o nome. Para garantir que todos os programas funcionem correctamente, deverá efectuar a instalação em C:\Windows.

Em seguida, escolha as opções de configuração. ?Típica? é a escolha normal, ?Portátil? destina-se à instalação do Windows num computador portátil, 'Compacta' poupa espaço em disco ao não instalar os componentes opcionais e 'Personalizada' é ideal para utilizadores avançados. Recomendamos que escolha 'Típica'.

As duas opções finais são os Componentes do Windows e a localização geográfica. Recomendamos que opte pelos componentes padrão, já que pode sempre adicionar e remover os restantes componentes através de Adicionar/Remover Programas no Painel de Controlo. Quanto à localização, escolha o país em que se encontra.

Agora que escolheu todas as opções, o programa de configuração decide que é uma boa altura para criar uma nova Disquete de Arranque. Insira uma disquete nova na unidade e clique em OK. Não utilize a disquete de arranque original; é uma boa ideia ter uma cópia dessa disquete para as eventualidades.

Depois de a disquete de arranque ter sido criada, ocorre uma pequena pausa. Eventualmente, poderá aparecer um ecrã do tipo 'Descontraia-se e tome contacto com...' enquanto o Windows é instalado. O progresso da instalação é indicado por uma barra de progresso na parte inferior esquerda do ecrã. Após a conclusão da instalação, poderá reiniciar e utilizar a nova instalação do Windows pela primeira vez. Certifique-se de que remove a disquete de arranque antes de clicar em Ok.

Resta agora optimizar mais algumas definições. Primeiro, introduza as informações de utilizador. Em seguida, será necessário ler e aceitar o contrato de licença. Depois, introduza a Chave de Produto com 25 caracteres (os travessões são adicionados automaticamente).

Durante a fase seguinte da instalação, o Windows instala os controladores de software para os dispositivos plug-and-play ligados ao sistema. Em seguida, especifique as diversas definições do Painel de Controlo. Terá de escolher a localização geográfica na caixa de diálogo Propriedades de Data/Hora.

Em seguida, reinstale os controladores do monitor. Aparecerá o assistente Adicionar Novo Hardware: Tente localizar os controladores do monitor. Se os tiver em CD ou disquete, introduza o disco agora e seleccione Permitir que o Windows Procure os Controladores. Se não tiver nenhum disponível, poderá escolher Apresentar uma lista de todos os controladores numa localização específica. Escolha o monitor plug-and-play predefinido.

O monitor predefinido permite-lhe aceder ao Windows com um limite de tamanho de ecrã de 640x480 com 16 cores. Depois de instalar o controlador do monitor, instale os controladores da placa gráfica. O Windows está reinstalado! Chegou agora a altura de avançar para a fase de pós-instalação...

Pós-instalação

Reduzir esta imagemExpandir esta imagem
71reinstal1

Já reinstalou o Windows, mas ainda há alguns pormenores a verificar antes de poder estar seguro de que tem um sistema que funciona.

Finalmente, a instalação está concluída e possui uma versão do Windows que funciona. Um olhar rápido pela pasta do Windows irá revelar, provavelmente, que está com cerca de metade do tamanho que costumava ter. Isto não só significa que o computador vai ser executado mais rapidamente, como também irá falhar menos devido a um número reduzido de conflitos entre ficheiros do sistema.

No entanto, antes de ficar demasiado entusiasmado, dedique algum tempo a verificar se o Windows reconheceu todo o hardware correctamente. A rotina de detecção de hardware do Windows no processo de configuração não é isenta de falhas, pelo que poderá ignorar facilmente alguns dos dispositivos de hardware. Segundo a nossa experiência, as placas SCSI e os dispositivos de armazenamento amovíveis são, provavelmente, os dispositivos mais problemáticos.

Finalizar as definições de hardware

Para descobrir com exactidão o que o Windows crê que está instalado, clique com o botão direito do rato no ícone O Meu Computador e escolha Propriedades. Aparece a caixa de diálogo Propriedades de Sistema. Mude para o separador Gestor de Dispositivos e verifique se todo o hardware está listado.

Se um dispositivo apresentar um triângulo amarelo com um ponto de exclamação, significa que há um problema. Seleccione o dispositivo e clique em Propriedades para obter mais informações sobre o problema. Geralmente, a reinstalação dos controladores do software a partir das cópias de segurança resolve o problema. Ocasionalmente, se o Windows apresentar repetitivamente os mesmo problemas, remova totalmente o dispositivo do perfil de hardware e reinstale-o através de Adicionar Novo Hardware no Painel de Controlo antes de o utilizar.

Se no Gestor de Dispositivos não houver referência a uma peça de hardware que sabe estar ligada ao sistema (e esta não funcionar), terá de pedir ao Windows que a procure. Terá de utilizar o utilitário Adicionar Novo Hardware no Painel de Controlo. Carregue-o e clique duas vezes em Seguinte. Depois de o disco rígido fazer um pouco de barulho, o Windows irá (esperemos!) detectar o dispositivo em falta e instalar os controladores.

Se não encontrar nada, terá de recorrer ao método mais difícil. Clique novamente em Seguinte e o Windows tentará localizar o hardware que não é compatível com plug-and-play. Se continuar a não encontrar nada, ser-lhe-á perguntado se pretende seleccionar o dispositivo manualmente. Seleccione o tipo de dispositivo a partir da lista disponível e o Windows deverá detectá-lo. Se não conseguir descobrir na lista o tipo de dispositivo de hardware que pretende instalar, escolha Outros Dispositivos (surpreendentemente, a maioria dos dispositivos parece pertencer a esta categoria).

Acabou

Tem sido uma tarefa fatigante e longa, mas chegou finalmente ao fim. Parabéns! Tem agora uma instalação nova do Windows. Infelizmente, agora terá de instalar todos os programas e copiar os dados novamente para o disco rígido. Mas, pelo menos, organizou o computador.

Depois de configurar o sistema, considere criar uma imagem da unidade. Trata-se de uma cópia do disco rígido com a nova instalação do Windows. Da próxima vez que pretender reinstalar o Windows, basta copiá-la novamente para a unidade C:. Todo procedimento será efectuado em metade do tempo e sem o aborrecimento de voltar a configurar tudo.

Reinstalar o hardware

Execute Adicionar Novo Hardware a partir do Painel de Controlo. O Windows procura os dispositivos plug-and-play que não estão instalados adequadamente, criando uma lista semelhante à seguinte.

Se o dispositivo não aparecer na lista, seleccione Não. Em seguida, o Windows irá executar uma procura de dispositivos que não sejam plug-and-play.

Se o Windows continuar a não localizar o hardware, resta-lhe instalá-lo manualmente seleccionando-o a partir da lista. Estranhamente, muitos dispositivos que instalamos habitualmente estão listados em Outros Dispositivos.

Propriedades

Artigo: 835829 - Última revisão: 1 de junho de 2004 - Revisão: 3.0
A informação contida neste artigo aplica-se a:
  • Microsoft Windows 98 Standard Edition
  • Microsoft Windows 98 Segunda Edição
  • Microsoft Windows 98 Segunda Edição

Submeter comentários

 

Contact us for more help

Contact us for more help
Connect with Answer Desk for expert help.
Get more support from smallbusiness.support.microsoft.com